21 de dez de 2009

A Saga da Ovelha Extraviada

Essa é a história de Kleuby, a ovelha extraviada.

Kleuby era uma jovem ovelha que viveu na mesma fazenda desde que nasceu. Era simpática, divertida, adorava falar! É bem verdade que tinha lá seus problemas comportamentais, mas qual jovem ovelha, em plena tenra idade, não tem?

Nossa destemida ovelhinha gostava de passear pelo bosque que havia perto da fazenda e cada vez mais ela contemplava novas experiências. Como não tinha muita experiência, não se atentava aos perigos que o bosque escondia. Ficava apenas encantada com as descobertas.

Cansado desse comportamento o pastor do rebanho fortalece a idéia de por um fim nessa situação. E determinado dia, isso de fato aconteceu.

Em um bela tarde ensolarada, enquanto kleuby e as demais ovelhas se alimentavam em um pasto verdejante o pastor chega e grita em alta voz (talvez para servir de lição para as outras ovelhas):

“Kleuby, preste atenção! Se você acha que a grama do bosque é mais verde, pode ir correndo para lá”

A humilhada ovelha fica sem saber o que falar (ovelhas falam? Pelo menos nessa história sim!) continuou ali parada por alguns instantes em seguida foi embora e não voltou mais para a fazenda.

Tempos depois o dono da fazenda ia comemorar seu aniversário e convidou todos os animais para uma grande festa. Um amigo de kleuby, achou que essa era uma ótima oportunidade de trazer a amiga devolta para o seu lugar, devolta para o lar, tipo a ovelha pródiga. Então, à convidou para festa.

Kleuby ficou animada com o convite e imediatamente já matutava o que conversaria com os velhos amigos. Marcou o cabeleireiro e a manicure, afinal, não ia se apresentar com o pelo sem tosa e as unhas mal feitas.

Chegando na festa o pastor barrou a entrada da ovelha. Disse que ela não pertencia mais àquela fazenda e que portanto não poderia participar da festa.

A ovelha cabisbaixa diz com um sussurro que só ela mesma ouviu “realmente eu não sou bem vinda nesse lugar”. Virou as costas e foi embora.

Muitos anos depois, quando Kleuby já era uma jovem senhora, o dono da fazenda resolve ir até o bosque pessoalmente para buscá-la. A encontra cheia de feridas, mas com muito amor à leva devolta para a fazenda onde ela receberia todos os cuidados.

Fim.



Hoje pela manhã estava pensando nessa história e é incrível perceber como muitas vezes ela é uma realidade em nosso mundo cristão.

Parece que, em alguns casos, o amor para pregar o evangelho e alcançar vidas, não é o mesmo amor que cuida dos que se perdem pelo caminho. Será que o pensamento que “justifica” isso é: Ah, fulano se afastou? Não tem problema, logo a gente conquista mais algumas vidas...

Não sei. Mas como vemos, a bíblia é clara em relação ao comportamento que o cristão deve ter...

“Que homem dentre vós, tendo cem ovelhas, e perdendo uma delas, não deixa no deserto as noventa e nove, e não vai após a perdida até que venha a achá-la?
E achando-a, a põe sobre os seus ombros, gostoso; E, chegando a casa, convoca os amigos e vizinhos, dizendo-lhes: Alegrai-vos comigo, porque já achei a minha ovelha perdida


Lucas 15:4

Como sempre o que proponho aqui é a reflexão. É pensar no nosso comportamento e tentar descobrir se, de fato, estamos fazendo nossa parte.

Mas na real, dessa história toda, a única certeza é que o “dono da fazenda” sempre vai atrás das ovelhas que se perdem no bosque.


Guto

Nenhum comentário:

Postar um comentário